Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Os desabafos de fiéis Leões

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Os desabafos de fiéis Leões

Sporting. Assim não vamos lá. Esqueçam, vamos ter mais um ano perdido

Nicolau Santos, diretor-adjunto do jornal Expresso, escreve sobre o que viu ontem e o que antevê para os próximos tempos em Alvalade

 

O Sporting perdeu ontem com o Vitória de Guimarães por 3-0 num jogo de preparação para a nova época que, para os leões, arranca no dia 6 de agosto, na Vila de Aves, o jogo que abre a Liga 2017/18. E o mínimo que se pode dizer é que os sinais foram preocupantes, não pelas experiências que Jorge Jesus fez ou pelas adaptações que foi obrigado a fazer, mas pelas manifestas fragilidades que se estão a tornar evidentes como resultado de uma má política de dispensas e de um sistema táctico que agrava essas fragilidades.

 

Guarda-redes: o Sporting não pode vender Beto e vender também Rui Patrício. Patrício é o melhor guarda-redes português, um dos melhores a nível mundial e garante vários pontos por época, além de dar uma enorme tranquilidade a quem está à sua frente. Beto colmata bem os jogos em que ele não puder estar presente. Vender os dois será uma desgraça, a não ser que se consiga uma alternativa magnífica.

 

Defesa: como é possível o Sporting iniciar um jogo com Bruno César a defesa-direito? É possível porque Schelotto foi dispensado, João Pereira foi vendido a meio da época passada e só há um tal Piccini, que já esta lesionado – e que, quando não estiver, não terá concorrência para o lugar. Erro crasso na política de dispensas e contratações. E o responsável chama-se Jorge Jesus. Coates não parece, para já, o jogador da época passada. O erro que ontem cometeu e que lhe valeu a expulsão aos 20 minutos de jogo é inadmissível no jogador de uma equipa que tem pretensões a ganhar títulos. Mas a intranquilidade de Coates resulta também da venda de Ruben Semedo, que colmatava em rapidez o que lhe faltava em serenidade e experiência, bem como a venda de Paulo Oliveira, com quem Jesus nunca foi à bola, mas que era de longe o mais rápido dos defesas sportinguistas e um jogador de grande entrega e muita qualidade. Em contrapartida, veio Mathieu que é pesadão, lento, com rins duros e que, a cereja em cima do bolo, já está lesionado. Se sofremos muitos golos o ano passado, cheira-me que este ano vamos sofrer muitos mais. Basta ver o que tem acontecido na pré-época.

 

Para a esquerda temos um jogador com problemas emocionais e que estava quase arrumado (Coentrão) e um jovem que precisa de jogar para ganhar confiança, mas que está longe de ser melhor que Jefferson (outro com quem Jesus nunca foi à bola e que, enquanto não despachou, não descansou). Conclusão: temos um enorme problema na defesa por culpa exclusiva de Jesus e das más opções que tem tomado, quer ao nível das dispensas, quer no plano das contratações. Esperemos que André Pinto recupere da lesão para sentar Mathieu.

 

No meio-campo, temos duas incógnitas fundamentais: Adrien e William Carvalho ficam ou vão? Ficam os dois ou só um? Não fica nenhum? E se ficar um, qual será? Dos contratados, Matheus Oliveira pode ser filho de Bebeto, mas não é jogador para uma equipa que luta pelo título. Vai ser despachado rapidamente ou jogará muito pouco. Palhinha está uns furos acima dele – e é da casa. Petrovic e Battaglia também são melhores e dão mais garantias. Acima da média, contudo, só mesmo Bruno Fernandes, que tem excelentes pés e magnífica capacidade de passe. Mas lá está: sem Adrien e William, este meio-campo é pior do que o que existia com eles.

 

Finalmente, no ataque, Podence devia ter lugar obrigatório, assim como Bas Dost. Mas o que fazer com Doumbia, que é um avançado possante que pode ser muito importante contra equipas fortes? Iuri Medeiros também merece jogar. Mas o lado direito, onde ontem jogou, não é o seu terreno natural. Acuña voltou a mostrar empenho e combatividade e Gelson Dala tem a alegria dos miúdos que jogam à bola na rua. Devia ser emprestado para rodar e marcar.

 

Conclusão: o nosso calcanhar de Aquiles está, para já, na defesa – e, já agora, no sistema táctico que, pelos vistos, Jesus, quer implementar, um 3-4-3 que pode ser útil para jogos com equipas fraquinhas, mas que é um perigo contra equipas boas ou excelentes – como se viu ontem, em que a defesa foi manteiga a ser cortada por faca aquecida.

 

Com quem está neste momento no plantel, o melhor seria mesmo voltar ao 4-3-3, assim escalonado: Patrício; Piccini (que remédio), Coates, Mathieu (ai, ai… - mete o André Pinto, Jesus!) e Coentrão (ai, ai, ai!); William, Adrien e Bruno Fernandes; Podence (Iuri Medeiros), Doumbia (Acunã) e Bas Dost. E precisamos de ir rapidamente ao mercado comprar um defesa direito.

 

Mas, de qualquer modo, deixem-me ser tremendista: com estes desequilíbrios na equipa, como resultado de más opções nas compras e vendas, sobretudo para a defesa (Jesus tem um problema com os defesas esquerdos desde o tempo em que esteve no Benfica…), vamos ter mais um ano perdido. É melhor Bruno Carvalho e Jorge Jesus começarem a preparar desde já os discursos que vão fazer aos sócios no final da época.

Fonte: http://tribunaexpresso.pt/opiniao/2017-07-27-Sporting.-Assim-nao-vamos-la.-Esquecam-vamos-ter-mais-um-ano-perdido

Mais sobre mim

imagem de perfil

O Cantinho de Alkmaar

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D