Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Os desabafos de fiéis Leões

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Os desabafos de fiéis Leões

Matar ou morrer - Pedro Ivo Carvalho

image.jpg

 

Marco Ficini era um adepto profissional do futebol.

No que isso tem de salutar e de nefasto. Morreu de madrugada numa rua de Lisboa, atropelado e abandonado por aquele ou aqueles que o atingiram e por todos os que, supostamente, estariam a seu lado aquando da batalha campal entre elementos das claques do Benfica e do Sporting.

Cobardes uns, cobardes outros.

As circunstâncias em que ocorreu este trágico episódio ainda estão por apurar. Mas, ainda assim, não ouvi ninguém admitir a possibilidade de o dérbi entre os clubes da capital poder ser adiado. Já não falo por respeito, mas para dar o exemplo, para suster a espiral de alucinação coletiva que varre o futebol português. E isso, esse silêncio, a simples convicção de que nem era preciso admitir a hipótese, diz muito (diz tudo) da gente que habita esse admirável mundo.

Ainda assim, o que mais me (ia escrever chocou, mas honestamente já nada me choca nesse universo paralelo), mas dizia, o que mais me inquietou foi o clamor daqueles que, no resto do ano, agem como pirómanos insaciáveis e agora se mostraram ao país como virgens impolutas e ofendidas, distorcendo a moral a seu favor para agradar à numerosa turba que os idolatra.

O cadáver de Mário Ficini ainda estava morno e já ecoava na arena pública o som insuportável dos insultos entre dirigentes.

Alheios às circunstâncias, alheios à normalidade, alheios à fase adulta e ao bom senso. Alheios à sua responsabilidade e às consequências dos seus atos. O silêncio é respeitoso em todo o lado menos no futebol, onde até palmas se batem nas homenagens caladas aos mortos.

Este é o país onde, quase todos os dias, se incita, na televisão, à clubite primária e virulenta, se agitam teorias da conspiração, se repetem repetições para (de)formar juízos. Horas e horas de programas sobre futebol onde não se fala de futebol, num campeonato alternativo onde os pontos são as audiências.

Mas ao futebol perdoa-se tudo, não é verdade? Porque faz parte da trilogia mágica a que se somam fado e Fátima. É uma força indomável. E as forças indomáveis não andam de trela curta. O povo quer, o povo tem.

O pior do futebol não é o futebol.

Não o que se disputa num retângulo verde, 11 para cada lado, uma bola saltitante e um desejo ardente de golo. Isso é um desporto apaixonante. Ganhar ou perder. Falo do resto. E o resto é um prolongamento doloroso sem dignidade ou brilho. Não é ganhar ou perder.

É matar ou morrer.

De uma coisa podemos estar certos: nesse terreno pérfido onde pululam egos maiores do que o corpo, as virgens que nunca o foram, derramarão sempre as lágrimas típicas da primeira vez. Faz parte da enorme encenação em que está transformado o jogo.

Mais sobre mim

imagem de perfil

O Cantinho de Alkmaar

Por um Sporting fiel aos seus pergaminhos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D